Google+ Badge

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Cães & Gatos

CÃES E GATOS (MINISTRA E PROFESSORES)

Ninguém consegue ler o rótulo quando este está dentro da garrafa.
É preciso que ele esteja fora para se ler (provérbio inglês).

Sempre vivi com este inegável dado: cães e gatos não se dão. Pronto! Não misturem cães e gatos… vai dar confusão…. vai dar feridos… vai dar sangue. E há até quem tenha medo deles.
Mas parece que esta minha afirmação é rapidamente contestada pelo seguinte “plenário” (em fotografia). Parece que os três estão num diálogo, sem qualquer tipo de conflito, ouvindo-se uns aos outros. Reina a sintonia e o respeito de opiniões. Algo parecido com as cegadas (quero dizer cagadas) que quase todos os dias nos aparecem pelos media.




Plenário da familia MB

Parece que os tempos que correm na nossa sociedade são tempos de “cães e gatos”. Temo-los no relacionamento dos professores com ministério, no nosso relacionamento inter-pares no seio da empresa, com os nossos superiores, entre adeptos de clubes diferentes de futebol, pasme-se, entre adeptos do mesmo clube e, infelizmente, dentro das nossas casas, para referir apenas alguns lugares. . Vide os dados estatísticos que têm vindo a ser publicados e que revelam que a violência doméstica e sobre as crianças tem vindo a aumentar. Será que o mundo foi tomado de assalto por cães e gatos?

Mas os conflitos nas organizações (e não só) podem ser benéficos. São eles que trazem sal, ou pelo menos algum dele, às nossas vidas. As diferenças entre os indivíduos existem. Não as podemos evitar…. elas estão lá. Felizmente!
Sabemos que os tempos são difíceis. Há uma enorme competitividade entre empresas, dentro das empresas, dentro e entre os vários departamentos.

Infelizmente, é que estes conflitos nem sempre são visíveis ou percebidos. Há algumas discussões à superfície … e o trabalho vai emperrando, vai sendo adiado,…
Muitas vezes os membros em conflito não entendem que não estão presentes apenas as duas partes, os dois, mas que há uma terceira parte; a Organização. Por isso, a defesa da nossa posição não deve ser vista como:” se eu perco, tu ganhas”. Não devemos incorporar o problema (real ou latente) como se fosse um problema apenas nosso. A parte mais interessada e que importa, em regra a defender, é a Organização.
É importante “ganharmos” um distanciamento do conflito e passar a observá-lo de fora. Assim, estamos no caminho correcto de o resolver.

Sabemos também que dificilmente alguém consegue fazer sobressair uma Organização pelo seu esforço e competência.
O caminho para a resolução dos problemas / conflitos passa por algumas regras:
• Evite-os » A primeira regra é fazer os possíveis para não os criar.
• Respeitar as opiniões dos outros » Aprenda a ouvir. Nem sempre estamos certos. Nem sempre o nosso ponto de vista é o mais ajustado ou apropriado.
• Vivemos em sociedade » Aprendemos sempre com os outros, Mais que não seja, aprendemos a não cometer os erros que outros já cometeram por nós.
• Trabalho é necessário, como conhaque também o é » As suas vitórias profissionais devem ser acompanhadas e partilhadas pelas suas vitórias sociais. Ninguém vive só de trabalho.
• Não se desgaste » Ele não concorda comigo; eu não concordo com ele. E daí?
• Crie o seu espaço » Não leve a insatisfação do trabalho para fora do escritório. Não leve também os problemas de casa para o escritório. Cada um deve ser resolvido no seu espaço próprio, isto é, onde ele acontece.
• Controle-se » Discussões, mesmo que apaixonadas , não resolvem os conflitos. Não lhe dão a razão.
Enviar um comentário