Google+ Badge

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Conclusões inventadas (ou como se deve ouvir primeiro)

Conclusões Inventadas

A família jantava tranquilamente quando, de repente, a filha de 12 anos comenta:
- Tenho uma má notícia. Já não sou virgem! Sou uma vaca! E começa a chorar convulsivamente, com as mãos no rosto.

Silêncio sepulcral na mesa! De repente, começam as acusações mútuas:
- Estava-se mesmo a ver! - diz o marido à mulher. É por te vestires como uma puta barata e arregalares o olho ao primeiro imbecil que vês na rua. Claro que isto tinha que acontecer. Com o mau exemplo que dás à menina todos os dias!...

E vira-se para a outra filha, de 25 anos, e diz-lhe:
- E tu também lhe dás um péssimo exemplo. Ficas no sofá a lamber aquele palhaço do teu namorado com pinta de chulo, na frente da menina...

A mãe não aguenta mais e grita:
- Ai é?!... E quem é o putanheiro que gasta metade do ordenado com putas e se despede delas à porta de casa? Ou pensas que eu e as meninas somos cegas?... Achas que é um bom exemplo seres porco? E passares os fins-de-semana a veres filmes pornográficos de 5ª categoria?

Desconsolada e à beira de um colapso, com os olhos cheios de lágrimas e a voz trémula, a mãe pega na mão da filhinha e pergunta-lhe baixinho:
- E como é que isso aconteceu, minha filha?

Entre soluços, a menina responde:
- Foi a professora que me tirou do Presépio!... A Virgem agora é a Luísa. Eu sou a vaca!!!


Nota: Email passado por um amigo, José Cid Proença

O Cagalhão, as Beatas, as Flores e a CML


O Cagalhão, as Beatas, as Flores e a CML

Nunca se renda, exceto às convicções de honra e bom senso. (Winston Churchil)l

Keywords: CML, Cagalhões, ASAE, Flores, Cafés, Outros
 
Perguntam-se:  o que isto tudo tem a ver em conjunto? Vou tentar, aqui vai.
Cagalhão: Impressionante a quantidade de “caninocagalhões” domésticos que há por ai. Eu moro numa rua deles. Tranquila, mas com eles.  Temos, muitas vezes,  que fazer uma gincana.

Lembro-me de uma história / vivência. Uma vizinha que tinha um lulu. O bicho era muito sonoro…ladrava muito e só mijava entre paredes. Para isso escolhia, algumas vezes, a porta dos vizinhos. A minha, que ficava em frente.  Duas coisas desagradáveis, e a lulumadame não percebia.

Um dia, a minha mãe,  educadamente, apos vária diligências, disse à essa senhora que evitasse, mais uma vez,  que o cão “ fizesse” no prédio, na nossa porta. Exasperada , a TIA, disse  que o seu luluisíssimo “não fazia”. Teve como resposta: é a pilhas?

Acho que passaram os dois usar  a mesma casa de banho. Deixou de haver xixis.

Acrescento uma outra. Um vizinho, daqueles  que estacionam o carro em dois lugares, para darem, quando  chega o amigo ou o filho, terem um lugar para os dois.

 Vejo o seu micro cão, daqueles que ladra muito, a mijar na roda do meu carro. Digo-lhe qualquer coisa -  a ele; mas devia ter dito ao cão, não a ele; acho que teria mais chances de ser compreendido. Ele, o bipedalista, responde-me com qualquer coisa.

Afino a conversa com: “da próxima vez piso-o”. O cão não tem culpa, é mesmo a ele.  Cada vez que passo por ele sinto um vudu.  Eu fico contente…e ele furioso.

Fiscais da CML? Nada!

Beatas: Quanto às beatas, não as de igreja, pasmo-me como à porta das empresas, lugares públicos e outros passadouros , estes vegetais selvagens  crescem do nada. Comentários , se os houver, deixo a terceiros.

Fiscais da CML? Nada!

Flores e CML: Passo por este parágrafos porque , o meu café,  foi avisado pelos fiscais da CML que, cada vaso de flores, pelo facto de estarem colocados à porta, iriam incorrer numa licença que custaria 158€ (cento e cinquenta e  oito euros).

Realmente,  a ASAE dos serviços cívicos e do civismo anda com os valores completamente baralhados.

Fiscais da CML? Sim, 158 euros

Meio desabafo social que foi feito.

João Paulo Marques
O tempo não pára, não pare você também.
http://www.linkedin.com/in/joaopmarques
http://jpmarques.blogspot.com; joaodavespa@hotmail.com
@joaodavespa
Think before you print. Think before you replay.