Google+ Badge

sábado, 1 de setembro de 2012

Olhar nos olhos

Olhar nos olhos

Quando falamos com os outros devemos olhá-los nos olhos.

Este comportamento inspira confiança aos outros e transmite, a si , confiança também no que está a dizer e a marcar a sua presença. E como este comportamento é importante no desenrolar das conversas

Muitas vezes esta tarefa torna-se mais difícil quando falamos do que quando escutamos.

Para ultrapassar esta dificuldade tente fixar-se num olho do seu interlocutor e mudar para o outro.

Vai ver que rapidamente passará a encarar os interlocutores nos olhos, nos dois olhos.

How to act in the Digital World


To meet new people of foster existing relationship digitally we need to be less concerned with what is good for us and more concerned with is good for society . What is the social good? We can do this showcasing to our audience of potential followers that:
• We care about them
• We provide items and information of value to them
• We are honest and diligent

If we follow these rules, then we will never be short of connections.

From "Digital Leader" by Erik Qualman

Selecting a Digital Mentor

Selecting a Digital Mentor/ Pay attention to

Who is he conversing with?
What topics does he post and in what tone?
Why does he post?
When does he post?
Where does he post and what tools or sites does he use?


From "Digital Leader" by Erik Qualman

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

3. O futuro é dos nexialistas


Pontes
3. O futuro é dos Nexialistas

Keywords: Boas práticas, Network, Nexialistas, Redes

"Já fomos generalistas e passamos a ser especialistas. Hoje, temos a necessidade do nexialista, que não é exatamente quem sabe a resposta, mas quem sabe o que e para quem perguntar. Diante da complexidade do mundo, é preciso ter alguém que encontre nexos."

Retirado de uma entrevista de Walter Longo, Vice da Y&R

Ao que acrescento (retitado da Net http://www.nexial.com.br/nexialistas.html)

"Hoje em dia, o mercado apresenta abundância de especialistas, prontos para defender com unhas e dentes a eficiência de sua ferramenta e sem a menor noção ou vontade de avaliar a importância relativa das alternativas.

Apresenta também um enorme contingente de generalistas, propondo diagnósticos rápidos e superficiais e soluções padronizadas para todo e qualquer problema.

Faltam no mercado empresas e profissionais com uma visão sinergética e isenta que permita ter ideias e buscar soluções integradoras de múltiplas ferramentas e múltiplas abordagens, sem peso específico ou ênfase preconcebida a nenhuma delas. Faltam nexialistas!"


Adenda de 2014


Ideia reforçada com um artigo sobre o rei da cachaça artesanal em Salinas. Ele tem algumas, entre as quais, a Seleta e a Boazinha.
Afirma o “caçhacista” algo como isto: não tenho pretensões de saber tudo. Tenho sim o número de telefone de quem sabe.

João Paulo Marques
O tempo não pára, não pare você também.
http://www.linkedin.com/in/joaopmarques
http://jpmarques.blogspot.com
@joaodavespa                   


First, connect (by Seth Godin)

First, connect

In the connection economy, there's a dividing line between two kinds of projects: those that exist to create connections, and those that don't.

The internet is a connection machine. Virtually every single popular web project (eBay, Facebook, chat, email, forums, etc.) exists to create connections between humans that were difficult or impossible to do before the web.

When you tell us about your business or non-profit or public works project, tell us first how it's going to help us connect. The rest will take care of itself.

O MEU PRIMEIRO LP E MU EPRIMEIRO CD - Ou um pouco mais do que isso

O MEU PRIMEIRO LP  E O MEU PRIMEIRO CD - Ou um pouco mais do que isso

"Do or do not. There is no try. "(Ioda)

Keywords: Experiência, Gestão, Tomada de Decisão, Ouvir

Acho que não comecei mal. O meu primeiro LP (ou bolachão) foi o Peter Gabriel I e o meu primeiro CD foi um do Machito. Nessa altura ainda não tinha leitor de CD´S.
Engraçada a história do LP. Juntava umas coroas e, quando perfazia, talvez uns 20 escudos, ia andar de moto alugada para o Campo Grande. Devia ter uns 14 anos. Ia na companhia dos amigos mais velhos. Alugava uma maxi-puch, uma quase bicicleta.

Andávamos pelo Campo Grande e arredores. Grandes aventuras vividas e rezando para que a polícia não nos mandasse parar. Outros tempos. A ideia de começar a comprar música regularmente veio de ouvir a conversa dos mais velhos. Um tal de Pedro Pichas falava muito sobre música. Eu ouvi a conversa dele e fiquei curioso. Toca a comprar o tal do Peter Gabriel I.

Ainda bem que ouvi a conversa. A partir desses tempos fui coleccionando música. A capa desse LP, como mais dois do Peter Gabriel, estão autografadas pelo próprio.
Já o CD do Machito apareceu numa fase em qua a música cubana, mais precisamente o Jazz Latino, foi-me dado a conhecer e começou a ter alguma expressão em Portugal. Boa compra! Antes de ter o leitor de CD´s já tinha uns poucos de discos. Fiquei com saudades de o ouvir...vou tratar de resolver isso.

Estes três momentos distintos apresentam alguns comportamentos que devemos ter na nossa vida. Ouvir, arriscar, planear.

O primeiro passa por ouvir. Neste caso prestei atenção ao que se falava. Tomei conhecimento de algo, não digamos novo, mas pouco explorado por mim até à data.
Passei a canalizar uma boa parte da mesada e a fazer umas poupanças com o firme propósito de comprar música.

O segundo momento tem a ver com o pisar o risco, o arriscarmos, o descobrirmos o meio que nos envolve e nós mesmos. Erik Qualman no seu livro "Digital Leader" escreve "Fail forward, Fail fast, Fail better". Este caminho, esta sequência, leva-nos a irmos melhorando e a conseguirmos atingir os nossos objectivos e ultrapassá-los. Dificilmente se acerta sempre à primeira e todas as vezes. Há que ir tentando, persistindo, melhorando, etc.

Por fim, antecipar o que parece vir a ser óbvio e tomar uma atitude, uma decisão. Tinha a certeza que o leitor de Cd´s estava perto de ser comprado. Quando chegou a casa já tinha alguma música para poder disfrutá-lo. O facto de anteciparmos algumas momentos que irão aparecer só nos vai preparar melhor para o futuro.

Por fim, e um pouco resultado destas três anteriores ideias, o processo de tomada de decisão com que temos que lidar diariamente, vai ser melhorado e acelerado.

À velocidade com que tudo acontece, não será conveniente termos processos longos de decisão. Poderá valer a pena decidirmos mais depressa e ir afinando o nosso trajecto.

O facto de postergarmos as decisões pode fazer com que saíamos antecipada e inesperadamente do jogo, que percamos oportunidades, que sejamos ultrapassados.

As oportunidades, bem como a concorrência, são enormes e imensas. Seja proactivo.


João Paulo Marques
O tempo não pára, não pare você também.
http://www.linkedin.com/in/joaopmarques
http://jpmarques.blogspot.com; joaodavespa@hotmail.com
@joaodavespa

domingo, 26 de agosto de 2012

Tintim na Lua, a verdadeira verdade


Lá pelos anos 70, no Observatório Astronómico de Lisboa, com uns 7 anos, dirigi-me ao director daquele instituto, Sr. Dr. Baptista dos Santos, com quem eu fazia longas passeatas pela Tapada da Ajuda, eu, ele e o seu cão.
Ele gostava muito de mim e a recíproca também era absolutamente verdadeira.
Ouvi (e ouvia) uns comentários sobre o Neil Armstrong e a sua viagem à Lua por parte do Dr. Baptista dos Santos, o meu pai e mais alguns pessoas e sabendo que não era verdade, muni-me de uma prova documental, o livro do Tintim na Lua, e com a minha voz mais sábia e confiante disse:
- "Oh Sr. Baptista não foi o Armstrong que chegou à Lua primeiro. Foi o Tintim." E mostrei-lhe o Tintim na Lua, livro que me era lido e relido pelos meus pais.
E assim vamos criando os nossos heróis, que perduram até aos dias de hoje. Bom quando os passamos aos mais novos....
Enquadro o meio envolvente. O meu pai é astrónomo e vivi, durante algum tempo, nos edifícios pertencentes ao observatório.

>"?Por qué me callé? - Ser reconhecido em cafés e restaurantes é uma coisa boa

"?Por qué me callé? - Ser reconhecido em cafés e restaurantes é uma coisa boa.

Ontem, num restaurante onde vou de vez em quando, o Aregos, perto da Calçada Marquês de Abrantes, em Lisboa (curiosamente vivi na Rua Marquês de Abrantes no Rio de Janeiro), à conversa com o dono / cozinheiro, lamentei-me de não haver mais Sardinhas Assadas servidas sobre pão saloio, também torrado na grelha com azeite e a gordura da sardinha. Como eles faziam ao princípio e pensava que tinham deixado de fazer. Um petisco, fiquem a saber!!!

Resposta: "Reabrimos a 4 de Setembro. Venha cá nessa altura."

Claro que vou!

Para além do mais, o serviço é simpático, é asseado, é baratucho e o vinho da casa não é mau