Google+ Badge

sábado, 5 de setembro de 2015

Chewbacca (ou "Chewie") ou como não é necessário falar muito


Falar pouco não é necessariamente ser indiferente. O nosso herói Chewbacca
 falava pouco, mas falava bem. Era assertivo.

Deixemos o falar muito para aqueles que só sabem falar muito e não dizer nada.


Chewbacca (ou "Chewie", como era conhecido pelos amigos) foi um Wookiee de Kashyyyk e co-piloto da nave de seu amigo chamado Han Solo, a Millennium Falcon. Ele era o filho de Attichitcuk, marido de Mallatobuck, pai de Lumpawaroo e tio do Cavaleiro Jedi Lowbacca. Chewbacca possui esse nome em homenagem ao grande Wookie Bacca, primeiro dos chefes de Kashyyyk, e criador de uma espada que denotava a liderança entre os Wookiees, além desse nome vir de uma linhagem nobre, que ficou ainda mais nobre por seu papel desenvolvido na Batalha de Kashyyyk durante as Guerras Clônicas e durante a Guerra Civil Galáctica. Chewbacca era sábio e sofisticado dotado de uma grande força e lealdade. Com um bom conhecimento de tecnologia e com a pós-graduação mais brilhante da Academia, ele também era especialista em mecânica. Chewbacca, como muitos Wookiees, era capaz de entender a linguagem usada por várias outras espécies, mas ele não podia falar devido a estrutura vocal de sua espécie. Ele falava em Shyriiwook, a língua principal dos Wookiee, composta em partes de rosnados e de grunhidos, seus companheiros não Wookies conseguiram entender normalmente suas respostas, que eram negativas ou positivas, demonstradas geralmente pelo seus tons de urros.

Morreu durante a Guerra de Yuuzhan Vong.



Tocar ou não tocar, eis a questão


Tocar ou não tocar, eis a questão 

Preliminares demorados

 
This is, of course, the opposite of,
"Touch it, you can make it better."
 
What's the default where you work?
 
 

Dar um produto como acabado,  impossível de ser melhorado, é algo que não deve ser dado como dado adquirido.  Claro que não devemos perder tempo em melhorar iterativamente o que queremos lançar. É uma perca de tempo e, sobretudo, podemos perder a oportunidade de lançar um produto e partir para um outro.  Ora, este tempo, a que nos dedicamos a melhorar algo que, pelo menos, não é urgente, pode levar à morte do projecto.  Sabemos também que não podemos ser tudo para todos.

Dicas para blogueiros e responsáveis pela publicação de conteúdos

Dicas para blogueiros e responsáveis pela publicação de conteúdos




Quando era mais puto (pode retirar-se o mais), nas minhas saídas nocturnas, costumava ter o dinheiro guardado no bolso pequeno das calças para o regresso de táxi. Era o meu -. Não hipotecava assim o meu regresso a casa. Os meus amigos, sabendo desse pormenor,  ofereciam-me boleia em troca de um empréstimo.

O mesmo conceito também se pode aplicar a quem é responsável pelos conteúdos que devem ser publicados nos sites, nos blogs…onde for..  Ter um (ou mais) artigo escrito e guardado em que o tema seja intemporal, que pode ser utilizado em emergências, um tal conteúdo de reserva. É só recuperá-lo e publicá-lo. Eu faço isso de vez em quando no meu blog. Tenho dois ou três conteúdos guardados e, na falta de inspiração ou tempo, publico-os.

Idem quando só temos o fim-de-semana para preparar os conteúdos. Nesse período alinhamo-los e programamos a sua publicação para os próximos dias.

Mas esta técnica tem desvantagens: procrastinação. Pode ser a desculpa que apresentamos para nós mesmos para não escrever. 

terça-feira, 1 de setembro de 2015

O que Catarina Martins pode aprender com o Sr. Oliveira da Figueira

O que Catarina Martins pode aprender com o Sr. Oliveira da Figueira


A deputada Catarina Martins, a tal do desBlocado de Esquerda, chama Paulo de Portas de Oliveira da Figueira. E faz isto com
profundo desrespeito por este herói do Tintim. Não estou a defender o Paulo Portas. Tenham a certeza disso.


O que me choca, choca mesmo muito, é o ar sempre agastado da Sra. D. Catarina Martins. O discurso deste desBlocado de Esquerda  sempre pela negativa, pelo falhanço, pelo pessimismo.

Muitas vezes noto, reparo, sinalizo…inconsistências no seu discurso, no que diz, nos dados…mas mantém sempre o seu ar agressivo, furioso…desgastante para quem a ouve.

“Tempos houve em que éramos exímios na inefável arte de vender como ficou para sempre inscrito na figura do Sr. Oliveira da Figueira que Hergé fez aparecer em pelo menos três aventuras de Tintim” (retirado do Jornal de Negócios). Pelo menos éramos vistos assim. Acredito que esta capacidade negocial não se deve apenas ao DNA de Figueira e Oliveira.

Talvez falte nestes tempos aos portugueses a capacidade de vender e de se venderem, de fazer network e de saberem que são tão bons como  os melhores. Por cá, Portugal, falta esse reconhecimento.
 
Ouvindo a deputada Catarina Martins a metralhar sempre o mesmo discurso, apetece-me  colocá-la num bloco, à esquerda ou à direita, mas num bloco isolado.
 
Nota: Reparem a boa educação que o Sr. Oliveira da Figueira, português de gema, com que recebe o nosso herói. Aliás, estamos perante dois heróis.  Pelo menos meus.
.


segunda-feira, 31 de agosto de 2015

DEIXE DE SER UM OUTDOOR DA COMUNICAÇÃO. USE O SMART CONTENT


DEIXE DE SER UM OUTDOOR DA COMUNICAÇÃO. USE O SMART CONTENT 
                                                                                                                                         "Content is king"

O mundo actual gira em torno de conteúdos. Conteúdos que informam. Informam os potenciais compradores / utilizadores. Estes conteúdos tomam diversos formatos: posts, casos / cases, papers, e-books, e-mail marketing, anúncios, medias sociais,…Mas os conteúdos, os do presente, começam a querer aparecer na forma de Smart Content.

Ora,  o que é um Smart Content?  É mais do que apenas o conteúdo bem escrito. O Smart Content leva o relacionamento Cliente / Empresa para um novo patamar. Aproxima, o que muitas vezes está afastado por natureza (e que não devia estar), o binómio Cliente / Empresa.
Também sabemos que cada vez mais é importante falar ao ouvido do Cliente; falar só para ele, de forma pouco evasiva e muito verdadeira. Promessas falsas ou situações inventadas são facilmente desmascaradas.

O que se consegue com o Smart Content? Mais leads, mais leads qualificadas,  menos interferência com o pouco tempo que os Clientes possuem (e nós).

Porque sabemos todos, não há Clientes iguais. Nem nós, a receber uma mesma informação em dias / alturas diferentes, a digerimos do mesmo modo.


◾ Audio & Visual Recognition

◾Autotranslation

◾Business Intelligence

◾Consumer Recommendation

◾Content Interoperability

◾Data Analytics

◾Digital Asset Management

◾Digital Content IDs

◾Geo-location

◾Mass Data Management

◾Media Asset Management

◾Metadata

◾Predictive Consumer Behavior

◾Rights Management

◾Smart Content Strategy

◾Smart Storage & Archiving

◾Smart Production

◾Taxonomy/Semantics

◾Visual Tracking

◾Watermarking


Nota: Apanhado o conceito de Smart Content na http://www.getsmartcontent.com/