Google+ Badge

sábado, 6 de abril de 2013

Communities - Business Model Generation by Osterwalder



Communities

Increasingly, companies are utilizing user communities to become more involved with customers/prospects and to facilitate connections between community members.

Many companies maintain online communities that allow users to exchange knowledge and
solve each other’s problems. Communities can also help companies better understand their customers.

Pharmaceutical giant GlaxoSmithKline launched a private online community when it introduced alli, a new prescription-free weight-loss product.

GlaxoSmithKline wanted to increase its understanding of the challenges faced by overweight
adults, and thereby learn to better manage customer expectations.

terça-feira, 2 de abril de 2013

NETWORK – Dicas, comportamentos e expectativas






NETWORK – Dicas, comportamentos e expectativas




“Faça da bolacha Maria um cremoso bolo de bolacha.”

Keywords: Network, Gestão, Prospects, Boas Práticas, Nexialista


O network ou rede de contactos sempre foi uma actividade que existiu!

A rede networking é uma espécie de parceria onde as pessoas que fazem parte deste círculo de contatos trocam informações, influência e aprendizado profissional e ajudam-se em muitas situações: indicação para um novo emprego, apresentação de um possível parceiro ou a realização de um negócio.

Cada vez mais nos dias de hoje ele, o networking, é uma ferramenta essencial. As redes de negócios tornam-se mais eficazes com esta prática. Interligando indivíduos que, através da confiança e construção de relacionamentos sólidos, vão construindo ideias, desenvolvendo projectos, falando de si a outros.

Há estatísticas que indicam que cerca de 70% de contratações e de novos negócios nascem em eventos de networking. Verdade, mentira? Que acontecem, acontecem …

Construir uma rede de relacionamentos é uma actividade tão importante que já existem agências de networking e eventos unicamente efectuados com esse propósito.

Existe, nos dias de hoje, uma figura que se chama Nexialistas. Esta une pessoas que se podem complementar ou reforçar.  Ao fim ao cabo, um nexialista é um networker.

Proponho-me a compilar algumas Dicas. A ver quantas arranjo.


Dica# 0  - A conversa é como as cerejas

Antes de participar em eventos, tente saber quem vai estar e imaginar quem poderá comparecer. No primeiro caso há várias fontes onde procurar informação: LinkedIN, FaceBook e outras medias.
Assim pode estar mais preparado para as conversas que quer ter e procurar quem quer encontrar ou conhecer.
Mesmo para as pessoas que já estão na sua rede, não assuma que já sabe o que eles estão a fazer e que eles sabem o que você está a desenvolver. Quem sabe se desta troca de informações pode nascer uma oportunidade.
Mas se assim não for, dê tempo ao tempo.

Dica #1 Valor da rede

Tenha em mente que uma rede para ser verdadeira, válida e autêntica, tem que ser construída com confiança e os relacionamentos estabelecidos passam, primeiro, como você pode ajudar os outros, antes de ser ajudado por eles.

Uma das práticas mais poderosas das redes é fornecer valor imediato para nova conexão ou para o contacto que você reencontra.
Se, por exemplo, você conhece alguém na sua rede que pode ajudar este contacto, e se ele estiver no evento, apresente-os.

Dica #2 - Cartões-de-visita

Apesar de alguns, muitos, acharem o cartão-de-visita antiquado, desajustado, etc, ele não deve ser esquecido. Quer para os eventos (de networking), quer para andar consigo, sempre, ele tem uma utilidade enorme.
O cartão serve para, quando encontramos alguém e  lhe colocoamos o nosso cartão, ele saber quem somos.
 A famosa frase “os meus cartões acabaram” deve ser evitada.
Não use o seu cartão como um flayer.  Não o distribuía, a torto e a direito, sem nem conversar com as pessoas. O objetivo é fazer com ele associações e ajudar que as pessoas que o recebem, tenham mais alguma coisa para se recordarem de si.

Dica # 3 - Histórias

Contar histórias é sempre uma maneira mais fácil de entreter as pessoas. Nós contamos histórias e repassamo-las. O mesmo já não acontece com definições.
Quando alguém pergunta: "O que você faz?” Caso tenha tempo, não faça uma apresentação do estilo “elevator talk “ sobre sua empresa e carreira.
Mencione  algum projecto profissional ou pessoal. Romanceie o facto, mostre paixão no mesmo. Demonstre que está envolvido
Estes detalhes ajudam a aliviar a tensão de eventos bons, mas imprevistos.
Cuida da sua história. Ele pode ser sempre melhorada e aprimorada.

Dica # 4 - Escreva e não fuja
Os eventos de networking não acabam com o último discurso. Se vai para casa mal eles acabam, vai perder alguma coisa.
Anote o que achou importante no evento; escreva o nome das pessoas que falaram. Este (bom) hábito pode ajuda-o nos próximos eventos e a fazer ligações com outros eventos e outras pessoas.
Ajuda-o a fazer conversa em outros eventos e passará por um profissional que está atento.
O final é sempre o que dá mais gozo.

Dica #5 - Promessas

Promessas são para serem cumpridas. Grandes, pequenas, não importam, cumpra-as.
As feitas em acções de network também. Sejam elas o envio de uma informação, de um email, etc. O cumprir as promessas reflete sobre o seu carácter profissional.  
Assim, cumprindo a sua palavra, você começa a construir uma reputação de confiabilidade, o que é o que você necessita para ser entendido como um networker de respeito e com qualidade.
Seja visto como um profissional que acrescenta  e  não apenas como alguém que apenas suga.

Dica # 6  - Participe de redes  e grupos especializadas

Seja qual for o seu interesse ou  paixão, há uma rede social especializado para si.  Veja a quantidade de grupos que existem no LinkedIN e no Facebook
Se ainda não a achou, procure no Google. Ela está lá. Há quem tenha s mesmos interesses que você.
Segue um link com algumas das muitas redes sociais que existem:
.
Dica # 7  - O tio “Pareto”

O Princípio de Pareto - e todos os raciocínios que dele advêm -  é uma ferramenta essencial para a vida. Nos negócios, em muitos casos, a sua aplicação é facilmente aplicada e comprovada.
É impossível fazer network de qualidade com todos. Faça uma lista. Escolha 5 a 10 pessoas e mantenha um contacto regular com elas. Acrescente valor à vida delas.
Pode ir enviando informações que vá apanhando na net, nos jornais. Apresentar pessoas / empresas com as quais ele poderá incrementar os seus negócios.
Este bom hábito faz de si uma pessoa proactiva e de ser vista como tal.
Seja consistente nesta mecânica.
Não deixe, no entanto, de se lembrar que existem outros profissionais que, mais cedo ou mais tarde, podem ganhar importância na sua vida profissional.

Dica # 8 – Pergunte & pergunte

Fazer perguntas permite-lhe: aprender e mostrar interesse pelos outros.
O facto de ir perguntando permite que os seus interlocutores se envolvam mais e melhor consigo. 
Ao ver as suas perguntas respondidas pessoalmente ou com a utilização da net ou outro canal vai ver a sua notoriedade capitalizada.  
Coloque uma pergunta interessante no LinkedIn e veja quantas pessoas lhe podem responder? Dessas, quantas é que conhece?  Está assim a capilarizar o seu nome, a sua marca.
Algumas perguntas que pode fazer neste contexto ou em outros.

Dica #9 – Link, Linkar…partilhar
Quando os substantivos se conseguem verbalizar, estamos perante um fenómeno que apresenta dinâmica. Passa-se com o Link e linkar; como se passou e se passa com Google e googlar.
O facto de adicionar Links às suas mensagens faz com que esta agregue informação para terceiros, para aqueles com que está a  “networkar”. Mensagens, actualizações de status, twitts, etc., podem levar os seus links.
No Facebook pode fazer hiperlinks dos nomes dos seus amigos quando os quer referenciar.
Também quanto passa documentos está a interagir. Já agora, para ficheiros pesados, pode usar o yousendit ou o twileshare.
Acrescento mais uma prosa. Esta relaciona o NÓS e nós.

Dica #10 – Mobile

Cada vez somos mais “mobiles” e, por conseguinte, o mundo também o é. Com tudo o que tem de bom e de mau.
Mas usar as potencialidades dos telemóveis pode ser uma medida interessante para um networker.
As inúmeras aplicações que os telefones possuem faz com que você possa receber e partilhar tudo o que anda à procura, tudo o que pretende partilhar e mais um par de botas.
Pode estar ligado a tudo o que é rede social e partilhar informações  de qualidade.
Para economizar tempo use o  HootSuite para gerir as suas várias contas e actividades. Esta App permite-lhe  publicar e ler mensagens, preparar posts e actualizações para publicações automáticas.
Mas faça um favor a si mesmo, não encha a caixa do correio dos outros com bullshit .
Tenha atenção também que há medias sociais ajustadas mais ao seu lazer e outras adequadas ao seu campo profissional.
Segmente a informação que partilha; nem todos vão querer saber que acabou de sair do restaurante ou que se propõe a escrever sobre gestão.

Dica #11 – Concentre-se nas pessoas certas

Se tiver acesso à lista de presenças pode preparar a sua estratégia. Tenha bem definido quem você pretende encontrar.
O ideal é procurar profissionais que tenham algo a ver directa ou indirectamente  com o seu negócio ou com os seus interesses. Abra só depois o leque a terceiros.
Claro que há “classes profissionais” que não deve descurar como: investidores, networkers ,  stakeholders ou outra qualquer personalidade que seja de interesse (não necessariamente interessantente). 
Mas parta de um princípio, conhecer pessoas é bom.

Dica #12 – Movimente-se
Nós, portugueses, somos pouco netwokers. Não que não sejamos profissionais interessados e interessantes. Mas, parece, temos vergonha ou alguma falta de confiança nas nossas potencialidades. Temos pouca autoconfiança e publicoconfiança (confiança para estarmos em público).
Nestes eventos evite ficar sentado ou esquecido (por si próprio) num canto, esperando que os outros venham até si. Caso proceda assim, as oportunidades de conhecer pessoas interessantes diminui drasticamente.
Se não está a conversar com ninguém, ande pela sala até se intrumar numa conversa ou começar a falar com alguém.
Se perceber que a conversa não está de acordo com seus objectivos, despeça-se educadamente e movimente-se.
Há a regra da máquina de café; se não se sente à vontade para iniciar conversas, fique perto da máquina do café. Esta muleta permitir-lhe-á escolher com quem quer conversar e facilitará o facto de não ter de ser um intruso numa qualquer conversa.


Dica #13 – Tome a iniciativa
Quando era criança, eu pelo menos, falava com todos, era quase como um  poliglota. As coisas mudaram um pouco comigo.
Mas aproveite este estado de graça, de estarem todos predispostos a falar. As regras aqui são quase um acordo tácito: nada de timidez, todos estão lá para conhecer pessoas. 
Nestes  eventos aproxime-se das pessoas e estabeleça conversa.
É um comportamento autorizado; ninguém, ou quase ninguém, irá julgá-lo por invasão de conversa alheia.
Vença a timidez. Começe com: “Boa tarde, como vão: Eu sou o X, da empresa Y e fazemos Z.
Quem é você?”
Espere também que os outros tomem a iniciativa e seja receptivo.
Respeite; seja respeitado. Seja flexível e respeita a diversidade humana e outros pontos de vista.

Dica#14 – Elevators Talk » Seja directo
Você está num evento de negócios, onde o tempo é escasso  e todos estão pré-dispostos a darem-se a conhecer.
Diga quem é, diga o seu nome…
Aborde os assuntos que o levaram ao evento de forma rápida, mesmo directa. Deixe a small talk  e falar de futebol u sobre o tempo para outros eventos, para outros momentos.
Expresse-se bem, seja claro e assim garante que os seus interlocutores o entendem bem.
Se o tempo for escasso, e em regra é, deixe o seu cartão.

Dica # 15 – Torne-se interessante
O mundo não é apenas aquele que anda à volta do seu umbigo; quer seja o umbigo profissional ou pessoal.
Alargue o seu campo de interesses. Não seja um nerd profissional.
Nestes eventos profissionais conte histórias; mas não sempre as mesmas.
Abra espaço para os outros contarem as suas aventuras. Lembre-se que nem todos podem ser tão aventureiros como você.
Um comportamento óbvio para se mostrar ou tornar interessante é falar com paixão das suas coisas, dos seus projectos.  E, simultaneamente, não falar mal dos outros, de tudo e de mais alguma coisa.  Nesta última situação verificará que sempre manterá alguma audiência. Pequena, quase sempre a mesma e que o grupo de novos entrantes será escasso. Nada comparável com o número de abandonos.

Dica #16 – O que não é networking
Aproveitar estes eventos (ou valer-se de uma situação familiar) para no momento ou posteriormente:
-  dizer mal.
 - queixar-se, queixar-se e..queixar-se.
- pintar tudo de negro / ser catastrofista.
- pedir ajuda constantemente (e nunca ajudar).
- utilizar o factor C ou cunha.
- utilizar o seu grau de parentesco e valer-se só e apenas disso.
- roubar ideias.
- misturar o profissional com o profissional, isto é, não tente ganhar um à-vontade social com a sua rede quando, só e apenas, os assuntos que trata são estritamente profissionais.
- passar e-mails com banalidades, piadas, fotografias ou outros conteúdos mais duvidosos.


Estas são algumas dicas (16 + 1)  de como fazer, manter, incrementar e não denegrir o seu papel de networker. Como todas as regras ou dicas, umas podem ser adaptadas ou ajustadas às circunstâncias, ao seu estilo e ao perfil do interlocutor.

Acredito que algumas destas dicas podem ser aplicadas a si.

Sugiro que procure planear a sua vida profissional, sempre com a  óptica do médio ou longo prazo. Com uma certeza, o médio prazo pode ser já amanhã.

Lembre-se: Fazer networking é construir relacionamentos antes de precisar deles. Quando surgir a necessidade, eles estarão lá, postos e dispostos a ajudar. O ideal é que da primeira até a última conversa do dia você esteja desenvolvendo, continuamente, as suas habilidades como networker.
A Bolacha Maria, sozinha, tem sempre o mesmo sabor; torne-a mais doce. Vai ver que é fácil.

Em “rodapé” digo-vos que os projectos que agora ocupam o meu tempo nasceram, alguns deles, deste tipo de eventos. 

João Paulo Marques
O tempo não pára, não pare você também.
http://www.linkedin.com/in/joaopmarques
@joaodavespa


segunda-feira, 1 de abril de 2013

Co-creation / CRM

Co-creation / CRM » Business Model Generation by Osterwalder
More companies are going beyond the traditional customer-vendor relationship to co-create value with customers. Amazon.com invites customers to write reviews and thus create value for other book lovers.
Some companies engage customers to assist with the design of new and innovative products. Others, such as YouTube.com, solicit customers to create content for public consumption.

E há tanta empresa que mantém a porta fechada aos Clientes

domingo, 31 de março de 2013

Networking - Dica #16 - O que não é networking

Não dê somente música.
 

Dica #16 – O que não é networking
Aproveitar estes eventos (ou valer-se de uma situação familiar) para no momento ou posteriormente:

-  dizer mal.

 - queixar-se, queixar-se e..queixar-se.

- pintar tudo de negro / ser catastrofista.

- pedir ajuda constantemente (e nunca ajudar).

- utilizar o factor C ou cunha.

- utilizar o seu grau de parentesco e valer-se só e apenas disso.

- roubar ideias.

- misturar o profissional com o profissional, isto é, não tente ganhar um à-vontade social com a sua rede quando, só e apenas, os assuntos que trata são estritamente profissionais.

- passar e-mails com banalidades, piadas, fotografias ou outros conteúdos mais duvidosos.