Google+ Badge

sábado, 13 de dezembro de 2008

Perguntas e respostas num debate

PERGUNTAS E RESPOSTAS NUM DEBATE

Se tenho que falar por 2h, preparo-me 10 m; se tenho que
falar 10m, preparo-me 2h (Winston Churchill).

Reveladora esta expressão de Churchill. E ele devia ser, sem dúvida, um orador muitíssimo bem preparado.
Se sabemos que temos que falar em público, prepara-nos quanto antes. Como quase tudo na vida, a experiência e a consequente repetição do exercício só faz de nós melhores executantes.
Tenho por hábito ler em voz alta textos em idiomas estrangeiros. Dou por mim de vez em quando a gaguejar em determinadas palavras e isso é mais notório quando gravo a minha leitura. Reparo que me atropelo de vez em quando. Por quê? Porque qualquer dos idiomas não são o “meu português”. Como eu posso melhorar a minha fluência? Praticando, lendo e lendo em voz alta.
O mesmo deve suceder a quem se prepara para uma apresentação. Treinar! Estar também preparado para a fase de perguntas e respostas. Estar muito bem preparado para esta fase. E esta fase pode preparar-se. Podemos antecipar as perguntas. Há quem diga que cerca de 70% delas são previsíveis. O que fazer com o remanescente. Prepararmo-nos. Esta parece ser a resposta para quase tudo. Prepararmo-nos!
Anteciparmos as perguntas que faríamos, como também as que gostaríamos que nos fizessem e as que não gostaríamos que nos fizessem. A estas juntamos aqueles que pensamos que não nos farão. Mesmo assim, alguma pergunta (s) inesperada(s) será feita. Garantido.
É conveniente no início da prelecção esclarecer quando é a fase das perguntas. Em alguns casos, mesmo que esta fase seja remetida para o final, convém esclarecer (na altura) alguma dúvida que possa comprometer o correcto desenrolar da sessão.
O público agradece sempre a oportunidade de pode formular perguntas. De poder esclarecer as suas dúvidas que não foram clarificadas na apresentação ou sobre as quais tenha reservas ou não concorde mesmo com o ponto de vista apresentado.

Seguem alguns conselhos para melhorar esta parte tão sensível das apresentações:

1. Não se precipite a responder. Tenha a certeza que entende o que está a ser questionado. Pense na resposta…e responda.

2. Pode responder imediatamente às perguntas ou juntar 3 ou 4 e articular a resposta. Assim, eventualmente ganhará tempo e poderá dar respostas mais abrangentes.

3. Esteja atendo ao modo como foi formalizada a pergunta. Perceba o seu conteúdo verbal e não verbal.

4. Ao responder dirija-se sempre à plateia e não apenas ao interlocutor.

5. Responda sempre de forma directa, clara e concisa.

6. Marque as distâncias. Assim, poderá defender-se melhor de perguntas mal intencionadas. Poderá, nestes casos, junto do interlocutor (e da plateia) reformular a questão… mudando os seus termos ou o seu âmbito.

7. Tente, dentro das possibilidades, ter material de apoio que o ajude a suportar as suas respostas.

8. Face a uma pergunta caprichosa, responda-a defendendo-se.

9. As questões formuladas negativamente responda de forma positiva.

10. Nem todas as perguntas que lhe são feitas merecem contestação. Todavia, seja cortês quando não as responder.

11. Seja honesto com a audiência. Não tem que saber responder a todas as questões que lhe são feitas. Caso isso suceda pode solicitar ajuda à plateia ou remeter a resposta para mais tarde. Sobretudo, não invente.

12. Quando perceber que está a esgotar o tempo que tem para as perguntas e respostas, avise a plateia. Pode disponibilizar-se para responder a algumas dúvidas posteriormente, quer na sala, quer por email ou outro método.

Aproveite este fase das palestras, independentemente da posição que ocupa. Ela pode ser bem desafiante. Mas nunca deixe de ter uma atitude séria e responsável com ela.

Se o Tempo não pára, não pare você também.
João Paulo Marques
Enviar um comentário