Google+ Badge

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

CONTE COM OS MAIS EXPERIÊNTES

CONTRATAR EMPREGADOS MAIS VELHOS É UM MOVIMENTO ESTRATÉGICO IMPORTANTE
Faça da sua Organização uma Tribo (Seth Godin in “Tribos”)

Este texto, eu acho, não se ajusta ainda para mim. Talvez pretenda ser uma antecipação do meu futuro… a ver vamos.
Pretendo, com o mesmo, desmistificar um pouco o problema da idade no recrutamento de quadros e colaboradores de hierarquias mais baixas. Claro que, como tudo, há excepções, há situações, há pessoas… que em tudo são diferentes.
Lembro-me, num passado distante, em umas acções de formação em que fui monitor do jurássico Lotus 123 de ter uma plateia composta de várias idades, sobretudo imbuída de diversos, distintos e antagónicos interesses. Tinha alunos que pouco passavam dos 18… até a senhores que rondavam os 60´s. O acesso aos computadores na altura era muito difícil…poucos haviam e portáteis só nos filmes do James Bond. O caso mais extremo de interesse era de um senhor que reproduzia as folhas de cálculo num caderno de folhas quadriculadas… também o caso mais difícil era de outro, mais ou menos da mesma idade, que usava a velha máxima de burro velho não aprende línguas. Não lhe dei razão.
Pretendo então passar-vos 12 razões (para 12 meses) porque devemos contratar e contar com colaboradores mais velhos, mais experientes e, provavelmente, mais sábios.

1 – Pontualidade. Começo por esta. Infelizmente é algo que não consegue ser enraizado na nossa cultura e valores. Acredito que a tendência seja para piorar…pelo menos é o que eu percebo pelo dia a dia, o que se traduz numa falta de respeito pelo trabalho dos outros.
Já as estatísticas e alguns textos (e informação da internet) dizem que os trabalhadores mais velhos são mais pontuais … porque, entre outras razões, gostam e dão valor ao trabalho. Igualmente as suas faltas justificadas ou injustificadas tendem a ser menores.
Tive uma passagem, por dois anos, a ajudar a treinar equipas de rugby. Para além de todos os ensinamentos técnicos que transmitíamos fazíamos por passar às crianças a importância de serem pontuais.

2 – Honestidade. É corrente entre os colaboradores mais experientes haver um espírito de lealdade, entrega e de procura em ajudar o grupo. Ao contrário, profissionais mais novos, em regra, não têm esta dedicação ao grupo.

3 – Foco, atenção e detalhe. Os mais experientes são, em regra, mais atentos, mais concentrados em determinados aspectos e conhecedores (e reconhecedores) de informações correctas e incorrectas. Lembro-me de um colega, bem mais velho, o Sr. Marques (nada a ver com a família) que, em virtude de ter sido polícia de trânsito, organizava as rotas de entrega dos materiais… ele sabia onde ficavam as ruas e como chegar lá… bem como lembrava-se dos códigos postais e dos nomes. Todas estas associações, que só ele sabia fazer, facilitava em muito a organização desta tarefa logística.

4 – Maturidade. Esta é um atributo que só se atinge com a idade e com a experiência. O colaborador mais inexperiente poderá ter dificuldade em resolver certas situações em que a experiência / maturidade seja essencial. Lembro-me de muitas perguntas que me fazem (e que fazem a alguns dos meus colegas mais experientes) …e, para as quais, já tenho (e já têm) as respostas preparadas. É uma resposta de cartilha… mas funciona.

5 – Exemplo a seguir. Um trabalhador mais experiente é uma mais-valia inquestionável para a Empresa. Ele pode encarnar a Cultura da Organização. Ser a referência da mesma. Ser aquele que transmite os valores da Organização aos que chegam . Há exemplos claros nas organizações desportivas em que antigos jogadores continuam ligados aos clubes… sendo os embaixadores do mesmo.
Acredito que a existência de uma figura com este perfil no seio das organizações seja um elemento provocador de tranquilidade e segurança para todos. Os que chegam e para os que por lá já andam.

6 – Custos com a contratação. Muitas vezes estes trabalhadores estão dispostos a trabalhar por um salário mais baixo. Eles não procuram apenas compensações monetárias…muitas vezes estão em busca de desafios profissionais e assim aceitam salários mais baixos. Também os custos referentes a seguros de saúde ou outros não são necessários porque já os têm. Igualmente conseguem mais rapidamente entrar na engrenagem de trabalho da organização. Muitas vezes a partir de uma determinada idade, estes colaboradores tendem a se fixar numa Empresa. Atingem, quase se poderá dizer, satisfação no que fazem.
Estes profissionais (menos novos) muitas vezes pretendem apenas trabalhar uma parte do dia ou alguns dias por semana… o que se pode tornar uma vantagem importante para a sua contratação. Imagine alguém que só pretende trabalhar aos fins- de- semana porque durante os outros dias tem os netos para cuidar.

7 – Bons ouvintes. A sua experiência permite que saibam ouvir. Por este facto as acções de formação são muito mais conseguidas. O seu background… ajuda também. Podem e costumam ser um elemento enriquecedor das acções de formação. Existe um falso preconceito de que um trabalhador menos novo tem menos capacidade de aprender. Porventura será verdade, mas existem estudos que dizem que a capacidade de aprendizagem é menos afectada pela idade do que outras performances físicas, como vigor físico ou atenção. Demonstram sim um enorme empenho em aprender e em passar conhecimento.

8 – Capacidades (e senso de oportunidade) de comunicação – Por serem profissionais mais experientes entendem as politiquices da Empresa… e sabem, por isso, usar a diplomacia no seu relacionamento com os superiores, pares e subordinados.

9 - Dedicação / Qualidade no trabalho. Pelo facto de terem mais experiência, de possuírem mais argumentos para responderem a problemas rotineiros, costumam produzir um trabalho de qualidade superior. Também o seu olho treinado permite descobrir e/ou solucionar erros de processo , de identificação de produtos, de pricing, entre outros.
Fazer mal feito quase sempre demora mais tempo e é mais dispendioso do que fazer bem feito. E isto, os mais experientes sabem bem da sua importância.

10 – Orgulho.
Têm orgulho em fazer o que fazem… nos resultados que apresentam…de serem válidos para a Organização. Muitas vezes não se importam de prolongar o seu horário de modo a acabar o que tem que ser finalizado.
Há trabalhos que não podem ser retomados ou que a sua interrupção poderá ser extremamente difícil e com custos elevados. Na indústria em que tenho desenvolvido a minha actividade (sector gráfico) a interrupção de um trabalho pode fazer com que o mesmo seja completamente inutilizado.

11 - Organização, método e rotina no trabalho. Sabem o que fazer, como fazer e que atitudes tomar quando algo não corre como o estabelecido. Em muitas organizações quando algo ocorre fora do planeado, do previsto, este facto pode tornar-se um problema sério…….um colaborador com experiência sabe e não tem medo, em princípio, de tomar uma decisão. Senão a correcta… pelo menos uma que minore a turbulência.
Muitas vezes a não decisão é pior do que decidir erradamente.

12. Confiança. São consultados e as suas opiniões são levadas em linha de conta. Não se importam de partilhar a sua experiência com os mais novos. Sentem prazer nisso.

Ao andar a vaguear pela WWW apanhei os seguintes dados:
- Trabalhadores com idade superior a 65 anos faltam, em média, 4,2 dias. Já os de idade compreendida entre 46 e 64 o fazem por 5,7 dias (média/ ano).
- Trabalhadores com mais de 55 anos são responsáveis por menos de 10% dos acidentes de trabalho (sendo estes mais de 14% da população activa). No entanto, a sua recuperação destes acidentes tende a ser por um prazo superior.
- Outros dados dizem-nos que 14% de trabalhadores mais velhos preferem continuar a trabalhar a tempo inteiro; 10% preferem continuar a trabalhar, mas com alguma flexibilidade de horários; 17% pretendem novas funções ou um novo desafio profissional. Sobretudo este último dado demonstra que eles querem que contemos com eles.
- Também há dados que nos transmitem que trabalhadores que se reformam mais cedo ou quando se aposentam na altura prevista pela lei inscrevem-se em cursos da mais variada índole ou inscrevem-se na Universidade para continuarem a sua formação. Muitas vezes em áreas de saber completamente distintas daquelas em que sempre exerceram a sua actividade. Eu espero a vir a fazer parte deste grupo.
- Finalmente, muitos profissionais preferem fazer longas jornadas diárias do que optar por tempos parciais.
O que pretendo a partir deste texto é, de alguma maneira, reforçar a qualidade que os mais experientes, mesmo em final de carreira profissional, podem trazer às Organizações e, sobretudo, a quem está no início da sua actividade.
Há, em algumas Empresas, um défice de senioridade que se traduz por inconsistência nas respostas, na incapacidade de resolução de alguns tipos de problemas, na falta de cultura empresarial, etc.
O melhor dos mundos, para grande parte das Organizações, será uma mescla de senioridade transmitida pelos mais experientes e uma dose de irreverência conseguida através dos mais novos.
Pretendo dedicar este texto ao Sr. Dr. Mateus Moreira, meu director no BPSM / DGES , que sempre me ajudou e ensinou. A mim e a todos os elementos da DGES. Sabia, muito bem, separar horário de trabalho e tempo de lazer.

Se o Tempo não pára, não pare você também.
João Paulo Marques
Enviar um comentário